Lançamento do Videoclipe de “Cidade Perdida” do Bioma

Bioma lança single e clipe de ‘Cidade Perdida’, faixa do disco: União e Rebeldia.

O primeiro single da banda vem acompanhado de um clipe produzido e dirigido por Julia Gimenes, profissional do audiovisual, feminista, que há 10 anos atua como colaboradora na causa indígena.

Assim como o significado de Bioma, que na biologia é uma grande comunidade com diferentes espécies convivendo juntas e de forma equilibrada, a diretora trouxe para o clipe a reflexão sobre a importância da união de lutas. Já que sofremos diversas violências e opressões em variados níveis.

Portanto, não existiria outra forma de (r)existir sem a consciência coletiva das vivências e lutas individuais, num esforço de unir pautas como o veganismo, feminismo, questão indígena, movimento negro e as opressões sobre os corpos dissidentes.

Para transmitir essa força dos movimentos coletivos e a urgência de fortalecer a união de diversas narrativas, Julia incluiu na produção trechos de registros feitos por ela durante o Festival Guarani em 2017 e do primeiro encontro das Mulheres Indígenas em 2018 ambos em São Paulo.

No clipe, esses trechos estão associados a imagens de arquivo retratando o crime cometido pela Vale em Brumadinho, que deixou 235 mortos e 35 desaparecidos, o discurso histórico do líder indígena, ambientalista e escritor Ailton Krenak e a crise das queimadas na Amazônia que ocorreram em 2019. Sem deixar de mencionar a importância dos canais “De olho nos ruralistas”, “mídia Ninja”, e outros portais desse jornalismo independente que possibilitou o acesso à essas imagens.

O single ‘Cidade Perdida’, apresenta uma prévia do que nos espera no primeiro disco da banda. Em determinado trecho da música, elas cantam: “civilização em fúria erguida sobre o ódio, história contemporânea, torta e desumana”. Então, se vivemos uma distopia, é no ódio que vamos buscar combustível para derrubar as estruturas de opressão.

Nesta composição, Bioma mostra o que vem fazendo desde a sua formação em 2017, ocupando espaços, levando a sério a união entre o que diz nas letras e sua postura dentro e fora dos palcos.

Foto por: Luís Galaverna

 

Bioma é uma banda de Queercore formada em 2017 na cidade de São Paulo por Julia Kaffka (Baixo), Leticia Figueiredo (Bateria), Mayra Vasconcellos (Guitarra), Natália Pinheiro (Natoka – vocal).

 

Redes e contato:
Facebook: https://www.facebook.com/bioma.queer
Instagram: https://www.instagram.com/bioma.queer
Bandcamp: https://biomaqueer.bandcamp.com/
Spotify: https://spoti.fi/3c37CLI
E-mail: bioma.queer@gmail.com

[FAIXA A FAIXA] Eskrota – T3RROR

  O T3RROR é um álbum filho da pandemia, quando a banda estava parada e apenas compondo à distância. A ideia de fazer um álbum sobre filmes de terror não […]

Leia Mais

[RESENHAS CÁUSTICAS] PRESTO? – S/T (1999)

O hardcore em São Paulo nos anos 90 tem bastante importância e relevância até os dias de hoje. De nomes a Againe e Small Talk passando por No Violence, Paura […]

Leia Mais

[RESENHAS CÁUSTICAS] Bad Brains – Live at CBGB 1982

A 1ª onda do hardcore americano nos trouxe bandas que são influentes até hoje. Citemos nomes como Teen Idles, Black Flag, Circle Jerks e MDC. E uma das pioneiras da […]

Leia Mais

[RESENHA] Losing Touch – Nosedive

Após um hiato de 2 anos desde seu último EP, Losing Touch é o novo material da Nosedive, banda de hardcore de Bauru-SP. São 5 faixas gravadas entre agosto e […]

Leia Mais

[Resenha] Medida provisória

Por: Marco Sartori No teatro de absurdos do Brasil de 2022, rir de nossas próprias desgraças é o melhor remédio. Com isso em mente, Lázaro Ramos adapta uma peça de […]

Leia Mais

[RELEASE] Mar de Lobos – Pancada

A banda de rock alternativo Mar de Lobos, lançou em abril de 2022 seu mais novo álbum intitulado “Pancada”. O álbum aborda todo o contexto da consciência social, questões pessoais […]

Leia Mais