[FAIXA A FAIXA] Eskrota – T3RROR

Arte: Lucas Bittencourt (@lucasfromhell)
Arte: Lucas Bittencourt (@lucasfromhell)

 

O T3RROR é um álbum filho da pandemia, quando a banda estava parada e apenas compondo à distância. A ideia de fazer um álbum sobre filmes de terror não veio somente de uma vontade nossa de abordar mais esse tema que amamos, mas também por conta da grande receptividade do público com a música “Filha do Satanás” (lançada em 2020, sobre o filme Carrie A Estranha). Decidimos entregar mais nesse estilo que agradou tanto!
Nós realmente somos muito fãs do gênero e quisemos trazer uma discussão sobre o protagonismo das mulheres no terror. As músicas desse EP falam sobre filmes que não seriam os clássicos que são, se não fossem as mulheres, final girls.
A concepção da capa e do nome, vieram somente depois de todas as músicas prontas, assim como a introdução, que na verdade veio para fechar 6 músicas no álbum.
Sobre o nome, nós pensamos em diversas coisas, mas sempre acabavamos em “terror”, porém parece tão pequeno esse nome. Então decidimos colocar o 3 porque nos filmes às 3 da manhã é o horário do demônio e tudo mais, então ficou diferente, mas simples ao mesmo tempo .

01. T3rror
Eu fiquei pensando por algumas horas em como deveria ser uma intro pra esse álbum e então coloquei Ghost pra ouvir, na hora me surgiu a ideia do riff e finalizamos as composições assim. Daí o escolhemos o Lucas para fazer essa colagem bem anos 80 e fechar esse álbum de thrash metal.

02. Não entre em pânico
“Não Entre em Pânico” teve a letra escrita pelo Daniel Pacheco, que fez os vocais dessa música como participação especial, produziu e mixou o EP também, e ele deu o tom da música, pra mim é uma das melhores da Eskröta, porque traz referências diretas ao roteiro do filme. Só o fato de começar com uma pergunta “Qual o seu filme de terror preferido?”, já empolga demais a galera nos shows. Escolhemos ela para gravar o videoclipe, pois acreditamos muito no potencial dessa música, mas também porque o Ghostface é um personagem muito interessante na nossa opinião, achamos que combinaria com a estética da banda.

03. Exorcist in the pit
A Exorcist In The Pit foi uma música composta pensando na trilha sonora original do filme, assim como Psicose também, então existem elementos marcantes presentes na linha de guitarra, principalmente. Porém, o que torna essa música tão especial é o fato de que eu gostaria muito da participação do Lawrence Mackrory (vocalista do F.K.Ü) e não tinha a menor ideia se ele aceitaria ou não. Adicionei ele no Facebook e lancei o convite inbox, pra minha surpresa ele respondeu rapidamente dizendo que queria ouvir a música e ler a letra antes de dar uma resposta final… Fiquei morrendo de medo dele não gostar, mas escrevi a letra pensando no vocal dele, na influência direta de F.K.Ü e ele deu um retorno positivo. Isso me fez ter muito mais orgulho dessa composição, sempre gosto de ouvir minha voz ao lado de outros vocalistas que são referências pra mim.

04. Psicose
Psicose foi a primeira música composta pra esse álbum, era a minha favorita no começo de tudo e hoje é a que eu menos gosto. Ela tem uma complexidade nos riffs e na linha vocal que funciona bem gravado, mas não sei se funcionaria tão bem ao vivo. Enfim, a ideia era contar mais sobre a história de Marion, dar destaque a essa “protagonista” do filme (que acabou ficando atrás da imagem de Norman Bates). O melhor é o final “Psicose, psicose”, que traz o espírito do thrash metal pra esse filme tão cult do horror, acho interessante essas misturas que a gente faz!

05. Maldade encarnada
Maldade Encarnada fala sobre Laurie e sua relação com Michael Myers, do filme Halloween. Sem dúvida é um dos meus favoritos e a música também fez jus a esse sentimento, cada detalhe dela faz sentido com o que está sendo contato na letra. Eu procurei usar referências mais oldschool pra construir essa narrativa, enfim… Também é uma das minhas favoritas!
Na produção de Maldade Encarnada, procuramos deixar o vocal um pouco mais cru, pra passar essa sensação de desespero. São detalhes que fazem a diferença no final da masterização.

06. Mate ou morra (mulheres no terror)
E, por fim, Mate ou Morra (Mulheres no Terror), que é uma homenagem a todas as final girls dos filmes de terror, sem essas mulheres a história do cinema não seria a mesma. Essa música tem muitas referências subliminares, desde Obituary, até Bikini Kill. Por exemplo, “final girl, slasherqueenofmy world”, que seria uma referência direta a música “Rebel Girl”. E também traz um pouco do lado feminista da Eskröta: “Mate ou Morra, as mulheres tomam conta do terror” ✊estar presente no cinema, na televisão, no rádio, nos palcos, etc, é uma forma de ganhar espaço como mulher e essa música representa um pouco disso.

 

Arte: Lucas Bittencourt (@lucasfromhell)
Arte: Lucas Bittencourt (@lucasfromhell)

 

Ficha técnica:

Produção: Eskröta e Daniel Pacheco
Co-produção das vozes e bateria: Diego Rocha

Gravação das cordas: Necronomicon Estúdio
Gravação dos vocais e bateria: Bay Area Estúdios

Mix: Daniel Pacheco e Jhon França (Necronomicon Estúdio)
Master: Martin Fúria
Arte: Lucas Bittencourt (@lucasfromhell)

Fotografia: KUBOMETAL (@kubometalfotografia)
Prefácio: David “Fanfarrão” Torres

 

Banda:

Yasmin Amaral – Vocal e guitarra

Tamyris Leopoldo – Baixo e backing vocal

Jhon França – Bateria

[CLÁSSICOS] | Fugazi – Washington (28/12/1987)

Desenrolando um pouco mais do hardcore oitentista, estamos na área do Bad Brains, Iron Cross, e especificamente nessa matéria, tratando de uma banda formada a partir a saída de dois […]

Leia Mais

[FAIXA A FAIXA] Eskrota – T3RROR

  O T3RROR é um álbum filho da pandemia, quando a banda estava parada e apenas compondo à distância. A ideia de fazer um álbum sobre filmes de terror não […]

Leia Mais

[RESENHAS CÁUSTICAS] PRESTO? – S/T (1999)

O hardcore em São Paulo nos anos 90 tem bastante importância e relevância até os dias de hoje. De nomes a Againe e Small Talk passando por No Violence, Paura […]

Leia Mais

[RESENHAS CÁUSTICAS] Bad Brains – Live at CBGB 1982

A 1ª onda do hardcore americano nos trouxe bandas que são influentes até hoje. Citemos nomes como Teen Idles, Black Flag, Circle Jerks e MDC. E uma das pioneiras da […]

Leia Mais

[RESENHA] Losing Touch – Nosedive

Após um hiato de 2 anos desde seu último EP, Losing Touch é o novo material da Nosedive, banda de hardcore de Bauru-SP. São 5 faixas gravadas entre agosto e […]

Leia Mais

[Resenha] Medida provisória

Por: Marco Sartori No teatro de absurdos do Brasil de 2022, rir de nossas próprias desgraças é o melhor remédio. Com isso em mente, Lázaro Ramos adapta uma peça de […]

Leia Mais