Entrevista: Por dentro do mundo do WRYPor: Rickson X Francis

“O WRY está prestes a lançar um trabalho novo. E em muito breve, divulgarão o título, capa e as datas do lançamento. O disco foi inteiramente gravado no próprio estúdio da banda, Deaf Haus, em Sorocaba. Os últimos trabalhos da banda e também os mais recentes sãos os singles: She’s Falling (2017), Life is like a Dream (2017) e Under your Skin (2018). Todos lançados pela gravadora Deck, do Rio e Janeiro”.

 

INSIDE A5: Como foi o começo da Wry? Quais são as principais memórias do início da banda?
Mario Bross: Como lidar com as memórias dessa época? É muita emoção. Período da inocência de que tudo é possível, uma vida longa pela frente. Sempre lembro de ter uma vontade louca de morar em Londres porque a música me levou a isso. A cultura inglesa me agrada até os dias de hoje. A gente tocava muito, era segunda metade dos anos 90. Acho que a gente era uma das bandas “guitar” (como o rock alternativo era chamado por aqui) que mais fazia show, e na maioria das vezes com a galera punk-hardcore. Quase não tinha banda de rock alternativo por perto. Lembro muito quando a MTV começou a ajudar as bandas alternativas, já pro final da década. Lembro de estar no meio da cena junto com o povo do Planet Hemp e Raimundos, e esse povo ia nos shows menores.

 

INSIDE A5: Existem outros projetos que contribuem com a vivência da banda como Circadélica, Asteroid, entre outros. Como esses projetos influenciam na dinâmica da banda?
Mario Bross: Atrapalhando né hahaha! Brincadeiras à parte, são projetos que amamos tanto quanto e que são os que de alguma forma nos dão sustento. Acho que os milhares de shows que rolaram no Asteroid entre 2010 e 2014 influenciaram o WRY nos palcos depois que voltamos no final de 2014. A gente se diverte mais e faz o povo participar mais. As bandas iam tocar no Asteroid e não percebiam que tinham o público na mão, isso me intrigava e me ensinava.

 

 

INSIDE A5: Como a viagem para Londres muda a Wry? Que diferenças notaram nas vivências na Inglaterra como banda?
Mario Bross: Acho que ter na bagagem uma outra cultura é sem dúvidas agregador. Tipo, temos a cultura brasileira e daí vivendo por lá, fomos adicionando a cultura britânica na gente. Foram 8 anos vivendo em Londres. Lá o povo tem aula de música na escola desde de muito cedo, isso muda muito. No Brasil não tem, é uma sociedade musical autodidata, isso é bom e ruim ao mesmo tempo. Tem coisas que a gente acaba não percebendo em nossas músicas pela falta de estudo técnico. Aprender música não vai mudar a sua essência, vai expandir os seus horizontes.

 

INSIDE A5: O quanto Sorocaba como uma cidade ativa no meio independente é importante pra vocês?
Mario Bross: Nossa casa né, difícil não tê-la como muito importante e querer ajudar todos e todas que a habitam, sabe. Eu adoro saber de bandas novas e torço pra termos muito mais.

Foto por: Regis Bittencourt
Foto por: Regis Bittencourt

 

INSIDE A5: Quais as mudanças positivas e negativas que vocês enxergam em Sorocaba da época que começaram a produzir para os dias atuais?
Mario Bross: Eu acho muito parecido. O rock não faz parte da cultura brasileira, por isso evolui tão devagar. Acho que a principal mudança é que temos um pouco mais de bandas na média, mais diversidade e a galera ficou mais eclética, menos limitada. Acho isso muito bom! Mas isso é no mundo todo, né!?

 

INSIDE A5: O que podemos esperar desse novo material?
Mario Bross: Estamos dialogando mais com nossas influências pós-punk, fazendo um som mais rápido, fresh e sendo bem diretos nas letras. Tivemos muita paciência e controle da ansiedade para gravar, sem ter um sinal de preguiça; e uma dedicação plena para cada faixa. Aliás, o tema principal do disco é o processo de lidar com a ansiedade em tempos como os que vivemos desde de 2018, sob as diferentes perspectivas da galera mais outcast da sociedade.

 

INSIDE A5: Considerações finais:
Mario Bross: Que todos e todas se cuidem, apreciem os trabalhos do povo artista, que compareçam nos shows e eventos alternativos pós-pandemia. Desejo muita força para cada um que está lendo essa entrevista <3

 

 

Links importantes da banda:

Twitter: https://twitter.com/wry
Youtube: https://www.youtube.com/c/WRYMUSIC/
Spotify: https://bit.ly/WRYonSpotify
Instagram: https://www.instagram.com/wrymusic/
Facebook: https://www.facebook.com/WRYMUSIC
E-mail: mariowry@gmail.com
Loja: https://wrymusic.lojaintegrada.com.br/

[FAIXA A FAIXA] Eskrota – T3RROR

  O T3RROR é um álbum filho da pandemia, quando a banda estava parada e apenas compondo à distância. A ideia de fazer um álbum sobre filmes de terror não […]

Leia Mais

[RESENHAS CÁUSTICAS] PRESTO? – S/T (1999)

O hardcore em São Paulo nos anos 90 tem bastante importância e relevância até os dias de hoje. De nomes a Againe e Small Talk passando por No Violence, Paura […]

Leia Mais

[RESENHAS CÁUSTICAS] Bad Brains – Live at CBGB 1982

A 1ª onda do hardcore americano nos trouxe bandas que são influentes até hoje. Citemos nomes como Teen Idles, Black Flag, Circle Jerks e MDC. E uma das pioneiras da […]

Leia Mais

[RESENHA] Losing Touch – Nosedive

Após um hiato de 2 anos desde seu último EP, Losing Touch é o novo material da Nosedive, banda de hardcore de Bauru-SP. São 5 faixas gravadas entre agosto e […]

Leia Mais

[Resenha] Medida provisória

Por: Marco Sartori No teatro de absurdos do Brasil de 2022, rir de nossas próprias desgraças é o melhor remédio. Com isso em mente, Lázaro Ramos adapta uma peça de […]

Leia Mais

[RELEASE] Mar de Lobos – Pancada

A banda de rock alternativo Mar de Lobos, lançou em abril de 2022 seu mais novo álbum intitulado “Pancada”. O álbum aborda todo o contexto da consciência social, questões pessoais […]

Leia Mais