Nosedive

Entrevista: Nosedive lança o Dull DaysPor: Rickson X Francis

Nosedive é uma banda de hardcore da cidade de Bauru, interior de São Paulo, formada no começo de 2019. Com influências da velha escola e da linha de bandas melódicas como Dag Nasty, Fugazi, Knapsack e Samiam atrelados ao rock alternativo de Dinosaur Jr e Sonic Youth lançaram seu primeiro material, “Dull Days” em meio a pandemia com 5 faixas, seguido por 3 clipes. As músicas contém a beleza de serem simples sem soar banal e misturam timbres agressivos com uma certa sutileza, resultando em uma forma bem interessante e pouco comum na maior parte das bandas do gênero. Batemos um papo com o Danilo (guitarrista da banda) sobre um pouco desse projeto que foi uma grata surpresa nesse ano turbulento.

 

INSIDE A5: Como foi o começo da Nosedive? Quais são as principais influências da banda?
Danilo: A banda surgiu numa conversa bem despretensiosa minha com o Gofs (vocal). A gente já tinha tocado junto em outros projetos e eu tinha me afastado das bandas para dar prioridade para outras coisas. Falei que sempre quis ter uma banda nessa linha de hardcore melódico que remetesse a algo dos anos 90 e o começo do que veio a ser chamado de emo. Ele curtiu a ideia e disse que conhecia um cara que também gostava do som. Nisso ele convidou o João para a outra guitarra e aí a gente ficou só nos 3 fazendo umas músicas até achar outras pessoas. Isso foi no final de 2018. Acho que o Gofs postou algo nos histories e o Dias viu e comentou que estava afim de tocar em alguma banda também, aí ele acabou entrando para tocar bateria. Como o Boni morava com ele na época e também estava gostando do som, ele acabou assumindo o baixo. A primeira vez que tocamos os 5 juntos foi só em fevereiro ou março de 2019. E essa é a formação desde sempre, nunca precisamos mudar. Na verdade, foi tudo meio sem querer (rs).

As influências principais eu diria que é o hardcore e o rock alternativo de forma geral. Bandas na linha do Hüsker Dü, Dinosaur Jr, Seaweed, Braid, Jawbreaker, Cap ‘n Jazz, Dag Nasty, Fugazi, Knapsack, as bandas da Dischord, Sub Pop. Até bandas mais recentes como Title Fight e o Basement. Cada um de nós escutamos várias coisas distintas fora dessa linha também e inevitavelmente acaba influenciando no som mas acho que a ideia da banda não existiria se não fosse essas bandas que citei.

 

INSIDE A5: Vocês lançaram recentemente o EP “Dull Days”, como foi o processo de composição e gravação?
Danilo: Foi bem natural, algumas músicas a gente fez nessa fase quando éramos só nós 3 e a Nosedive era só uma ideia (rs). A gente já tinha uma noção de como gostaríamos que as músicas soassem e aí fomos adequando elas para se aproximar disso. Normalmente a gente compõe da seguinte forma: alguém chega com uma ideia que pode ser um riff, uma melodia, uma sequência de acordes e a gente vai lapidando isso no ensaio com o tempo. As vezes acontece de alguém chegar com a música relativamente pronta, mas sempre com essa abertura de mudar alguma coisa, até porque a gente sempre muda (rs). A gravação fizemos em Bauru mesmo, decidimos as músicas e conhecemos o Adriel que gravou e produziu o EP. Gravamos a bateria e os vocais em estúdio e as cordas em linha na casa dele. Ficamos bem satisfeitos com o resultado final e muito disso devemos ao Adriel pela paciência e dedicação tanto na gravação quanto na mixagem e master.

 

INSIDE A5: Como tem sido essa fase atual? Pós-pandemia quais impactos vocês acreditam possam causar na música independente? Quando as coisas se normalizarem e voltarem a ser seguras.
Danilo: Sinceramente? Está sendo um momento bem delicado e não estou muito otimista quanto ao futuro. Toda banda independente nesse nicho se depara com inúmeras dificuldades no percurso, nós que moramos no interior ainda mais. Isso vai desde achar pessoas dispostas a tocar, até conseguir um espaço onde possamos nos apresentar, conseguir equipamentos e uma condição mínima para que as coisas possam acontecer. Sempre foi necessário, mas acho que mais que nunca as pessoas que valorizam as bandas independentes, seja membro de banda, público ou casa vão precisar reunir forças nesse momento. Acho necessário a gente criar a consciência de ser solidário e ajudar da forma que a gente pode, principalmente nesse momento. Se você pode comprar merch, cd ou material de bandas, ótimo, tenho certeza que vai ser importante, mas não falo só de dinheiro, sei que muita gente tá passando perrengue e não pode ajudar dessa forma agora, mas há outras formas de colaborar para manter a chama acessa. A gente viu vários lugares destinados a arte fechar aqui em Bauru durante a pandemia. Inclusive, o lugar que fizemos todos nossos shows em Bauru com exceção de um está fazendo uma vaquinha virtual e sorteando alguns brindes como uma última tentativa de não fechar as portas. É bem complicado e as consequências nem consigo mensurar nesse momento mas infelizmente acho que a tendência é de que o quê já era bem difícil fique ainda mais.

Nosedive

INSIDE A5: O que vocês indicam para quem está lendo essa entrevista?
Danilo: Bandas independentes que tenho escutado bastante no momento e que acho que tem coisas em comum com nosso som: Strawberry Licor, Mar de Lobos, Afoite, Make It Stop, Derrota, Turning Off, Metade de Mim, Superbrava, Horace Green, Radical Karma e as bandas do coletivo que fazemos parte (Refuse2Sink).
Livros: Os Irmãos Karamazóv (Dostoiévski), As Veias Abertas da América Latina (E. Galeano) e Cem Anos de Solidão (Gabriel Garcia Marquez).
Filmes: O Segredo dos Seus Olhos, Bacurau, Amnésia, Estrada Perdida e Relatos Selvagens.
Série: Chernobyl.

 

INSIDE A5: Recentemente teve o lançamento do vídeo da música “Dull Days”, conte-nos mais sobre esse clipe.
Danilo: Todos nossos clipes foram feitos pelo João (guitarra), ele trabalha com essa parte artística e sempre curtimos muito suas ideias e o resultado. Acho que visualmente esse clipe casou bem com o quê queríamos passar nessa música e ele por estar na banda acho que teve essa percepção melhor do que se fosse feito por alguém de fora. Teve uma recepção legal, não só esse, mas os outros que lançamos também (Anxiety e Hollow). Uma galera já disse que curte nossas artes visuais e o crédito é todo do João nessa parte.

INSIDE A5: Quais são os próximos planos que desejam realizar com a banda? O que podemos esperar?
Danilo: A gente gostaria de ter tocado mais para divulgar esse nosso EP, mas como ele foi lançado no início da pandemia nem conseguimos ver a receptividade do público ao vivo. Confesso que estou curioso para saber como vai ser agora que o pessoal conseguiu escutar gravado, com acesso as letras etc. Também temos o interesse de tocar em outros lugares fora da cidade e conhecer pessoas novas. Como a banda é nova, só fizemos isso uma vez. Óbvio que sabemos que é impossível de acontecer isso agora, mas quando for possível queremos colocar isso em prática.
Fora isso, estamos com bastante música acumulada, umas que não entraram no EP, outras que surgiram durante o processo de gravação e um monte que fizemos nesse período recluso. Como não ensaiamos desde março, precisamos ver com calma esse material com a banda toda, ver como soa e o que podemos e queremos aproveitar. Mas apostaria que logo que as coisas estabilizarem e acertarmos esses detalhes devemos entrar em estúdio de novo para gravar, provavelmente um novo EP.

 

INSIDE A5: Considerações finais:
Danilo: Em nome da banda, queria agradecer demais o Inside A5 pelo espaço, é muito gratificante saber que há pessoas dedicadas ao independente e que se interessam pelo que nós e outras pessoas temos a dizer além da música. Já acompanhava o conteúdo de vocês e é um prazer estar aqui junto com um monte de banda e artistas interessantes.
Agradecer a todo mundo que vem nos apoiando de alguma forma, seja escutando nosso som, divulgando, nos convidando para tocar ou simplesmente dando uma palavra de apoio. Isso faz toda a diferença, até costumo brincar que a banda é só uma plataforma para que a gente possa se conectar com pessoas (rs). Quem quiser conhecer mais um pouco da banda ou trocar uma ideia com a gente, é só procurar no Instagram, Facebook, Spotify e afins. Muito obrigado!

 


 

Links importantes sobre a banda:

• Facebook: facebook.com/nsdvscks/
• Instagram: instagram.com/nosediveband
• Spotify: https://open.spotify.com…
• Bandcamp: http://www.nosediveband.bandcamp.com

Protegido: O consumo alimentar dos brasileiros em 10 itens

Não há resumo por ser um post protegido.

Leia Mais

RESENHA: Be Well fala sobre saúde mental em The Weight And The Cost

Sem dúvida hoje os transtornos mentais são mais debatidos de forma aberta, mas ainda é um tabu. Revelar que você tem um psiquiatra ou sequer faz terapia pode ser um […]

Leia Mais
Foto: Mateus Mondini

Entrevista: Futuro – Os Segredos do Espaço e Tempo

O Futuro começou em 2010, primeiro como uma mudança de nome de outra banda que já existia, o B.U.S.H., mas com a entrada da Mila em 2011 se tornou uma […]

Leia Mais

RESENHA: Make It Stop: Sobrevivência 2020

Quando Nina Simone disse que refletir sobre os tempos é dever de quem se envolve de alguma forma com arte, ela também explica que não temos escolha, já que isso […]

Leia Mais

A volta dos Resíduos Tóxicos

A volta dos Resíduos Tóxico! WebZine criado em 2011 por Fábio e Keyla agora torna-se o mais novo colunista do Inside A5, conheça o trabalho deles agora:   Sobre o […]

Leia Mais

Entrevista: 20 anos de Questions!

A banda foi formada com a intenção de unir a energia e a intensidade do hardcore ao peso e à agressividade do metal. O nome representa um pensamento crítico em […]

Leia Mais