Entrevista: Dez Anos de Bayside Kings!

Desde 2010 conectando pessoas, fazendo questionamentos internos e externos em forma de música rápida, melódica e agressiva. Trocamos uma ideia com o front-man, Milton Aguiar, se liga:

 

INSIDE A5: Nesse ano a banda completou 10 anos, o que mudou na vida de vocês desde o começo até os dias de hoje?
Milton Aguiar: Primeiro, obrigado demais pelo espaço e a oportunidade de poder contar um pouco sobre nós. Em julho de 2020, nós completaremos 10 anos de vida e todo momento é um transformação, um aprendizado. Graças à estes quase 3650 dias, nós absorvemos coisas e experiências que com certeza, não seria possível aprender nas instituições básicas que o sistema diz que devemos consumir, reforçando a maior virtude que me faz acreditar que hardcore punk é muito mais do que música.

É até difícil quantificar as coisas em si, mas por exemplo, se falarmos de um lado musical, tivemos uma evolução tremenda, não só de criação sonora, domínio instrumental , melhores instrumentos, estamos em uma fase muito boa referente a isto e ela vem do peso da década vivida. Tem a soma das pessoas que dão suporte, aprendemos muito com estas pessoas também, temos uma outra visão do mundo que é muito mais do que a praia aqui

Há uns 6 anos também, estamos nos encontrando cada vez mais na relação música/política e este é um dos motivos de mergulharmos na frequência de cantar em português. E isto que citamos, são alguns dos exemplos, tem muito mais com certeza e ainda estamos vivendo elas o nosso desejo é que seja sempre de forma evolutiva e para frente.

INSIDE A5: Como tem sido a rotina da banda em meio a pandemia? Quais impactos vocês acreditam possam causar na música independente? Quando as coisas se normalizarem e voltarem a ser seguras.
Milton Aguiar: Esta é uma parada que envolve um sentimento amargo de um ano “perdido”. Nesta próxima fase do BSK em português, tínhamos um planejamento evolutivo muito estratégico, a gente estudou tudo que você possa imaginar: música, gravação, plataformas, streaming, marketing, booker, tudo mesmo, queremos crescer e quando falo isto não é “fazer a banda virar” e sim apresentar o melhor de nós, transformar o que temos em algo mais sólido para chegar daqui há mais 10 anos e a gente pode falar que se um dia o BSK acabar “fisicamente”, ele ainda vai viver mais do que a existência dele, assim como as bandas e artistas que gostamos e somos influenciados, é contribuir pro mundo com algo que realmente possa fazer um mínimo de diferença para alguém. Então neste momento seguimos assim, estamos respeitando a quarentena, não encontro os caras desde do primeiro dia de quarentena, porém seguimos em contato pelas ferramentas possíveis e trabalhando ações nichadas da banda e fazendo mais música como dá, para quando for seguro, lapidar no estúdio e registrar as músicas e comer estrada.

Sobre o que vai acontecer e o impacto para a volta segura, eu já pensei em diversas coisas, li várias probabilidades e criei teorias, porém, acredito que realmente ninguém sabe o que vai acontecer, esta é uma parada que não vai ter planejamento e vai vier de tentativas, erros e o acerto, já estamos sofrendo, porém essa parada vai passar, mas teremos sequelas eternas. Não quero ser pessimista, porém não acredito em shows no ano de 2020 e tenho minhas dúvidas para 2021, espero estar muito errado. Vamos ter que nos adaptar e aprender a ocupar novos espaços e novas formas de levar som e mensagem e conectar as pessoas.

 

INSIDE A5: O quanto a estrada é importante para vocês? Vocês fizeram shows históricos no interior de SP, qual a relação de vocês com essa cena?
Milton Aguiar: A estrada é tudo. é muito louco pensar e explicar para pessoas fora da comunidade, que eu passo, às vezes, dentro de um carro, horas e horas apertado , cheio de instrumento no colo, chego em uma cidade pequena e toco para 50 pessoas, e elas me perguntam “vale a pena?”. Bom a resposta todos aqui já sabem qual é. Essa meia hora mágica que é tocar e estar em contato com as pessoas é mágico, transcendental , é um aprendizado e uma renovação de forças para aguentar o peso do mundo fora da comunidade, que faz tudo valer a pena.

Nesses 10 anos vivendo na estrada, o interior de SP tem um papel fundamental na vida do BSK, nós aprendemos muitas coisas à ponto de sermos inspirados e levarmos algumas ações para a nossa cidade, como organização de shows, como todos os envolvidos devem ser tratados. O interior é forte demais e conectado como se fossem um único lugar e tem seus picos, destacamos bons momentos, bons amigos, boas bandas e bons shows em Sorocaba, Piracicaba, São José dos Campos, Araraquara, Americana, Campinas, todas essas tem uma importância ímpar, não só para o BSK, mas para o cenário como um todo.

INSIDE A5: Sabemos que está pra vir um futuro material em português, o que pode nos soltar de spoiler desse projeto?
Milton Aguiar: Nesta pergunta aqui, vou dar uma opinião pessoal, eu acredito que será um divisor de águas internamente para nós, será 8 ou 80. Para mim foi muito difícil, na verdade ainda está difícil, tenho me cobrado tanto que minha produtividade com isto é de momentos, porque não quero soar “bobo” ou falar as mesmas coisas que já foram faladas há anos….

O disco em si, terão 4 partes, criamos um universo, com 4 assuntos chave, onde cada assunto terá X músicas que falarão do mesmo tema, explorado por outros pontos de vista. Colocaremos novos elementos musicais, os quais ainda não explorados (não tem acústico), mas ainda terá velocidade, melodia e muita raiva. Traremos na parte gráfica visual, uma linguagem nova, queremos realmente começar um novo capítulo, é um novo começo com várias páginas à serem escritas somada da experiência vivida.

INSIDE A5: Vocês participaram de diversas fases do Hardcore nesse tempo de banda, que mudanças positivas e negativas você enxergam nesse cenário?
Milton Aguiar: Nós percebemos que tudo na vida, existem as fases e elas são cíclicas. Tem gente que ainda cola no show desde do começo, tem gente que e afastou, tem gente que se afastou e voltou e tem gente que chegou agora e aprendemos muito com essa galera, porque a comunidade é uma troca sem fim, o que nos fez sempre querer destruir muros e expandir, essa visão nos faz transitar em diversos nichos, tocamos no metal, no punk, no metalcore, no emo, em festivais, com banda mainstreaming, essa adaptação e ao mesmo tempo, habilidade de mostrar a mesma energia em diversos círculos é um dos fatores que nos faz sobreviver até hoje e querer ir além.

As mudanças positivas, é o amadurecimento das idéias, é a galera realmente vendo que hardcore punk é mais do “barulho”, que tem um porque, as pessoas estão se “armando” mentalmente, e as coisas que aprendemos , estamos colocando na prática, ainda ta longe do ideal, mas eu sinto que as pessoas inseridas, enxergam a parada além da degustação musical.

Mas nem tudo são flores né? Tem algumas coisas que poderíamos dar um pouco mais de atenção, como uma renovação na comunicação para atingir mais pessoas, misturar um pouco mais outros estilos, para ter mais campo de diálogo e ação. Tentar criar mais sinergia com mídias alternativas e assim vai, lógico que isto é uma opinião pessoal baseado em algumas experiências.

INSIDE A5: Indicações de filmes | podcasts | livros | séries que você recomendam para quem está lendo essa entrevista.
Milton Aguiar: Tenho bastante coisa para indicar, a lista é longa, mas vale muito a pena, vamos nessa:

.Filmes: eu tenho visto poucos nesse período, para quem gosta da atmosfera anos 90 e skate, procurem o “MID 90s”, outro filme que eu curti muito é o “GREEN ROOM”, com o ator que faz o professor Xavier dos X-Mens antigo, tem temática punk hardcore, nazi, é um suspense maneiro, aconselho.

.Livros: tem um combo que eu gosto muito, principalmente para quem trampa com processo criativo e tem dúvidas de como mostrar o trampo com o mundo, se chamam “Roube como um Artista” e “Mostre seu Trabalho”, ambos do mesmo autor, Austin Kleon, recomendo demais, fácil de ler, curto que vai explodir sua mente em um processo de antes e depois, vale o investimento.

.Podcast: Resumo Cast para resumo de livros, sala 1604 sobre conteúdo de arte, Poucas sempre tem entrevistas muito boas, Tattoocast sobre o mundo da tatuagem, Matéria Escura do Lucas do Fresno é bem divertido e informativo, Vista podcast e o Notthesamo talks falam sobre o mundo do Street Wear e cultura de rua e de música indico muito o Seita Macabra, Do it Yourcast, Musificando + e Riffcast. Sim eu consumo podcast demais hoje.

.Série: As últimas que eu vi e estou vendo são: Hunters (Amazon) que tem uma temática de caça a nazistas infiltrados na América, recomendo demais. E optei por coisas mais leves, como Brooklyn 99, Community, Atlanta e um anime que me indicaram chamado Dorohedoro que eu não estou entendendo nada, mas é legal.

.Games: Tem 02 que estou jogando muito nesse período de quarentena, ambos são grátis e dá para jogar com os amigos, é o COD Warzone que é multiplataforma, inclusive, tô juntando em um grupo de Whatsapp uma galera que curte hardcore e joga, quem quiser, só me chamar e outro game que gosto bastante, é O Magic Arena, sim, nerdão das cartinhas, tenho experiência, só chamar, pra quem gosta, prato cheio

INSIDE A5: O que podemos esperar do futuro da banda? O que podem nos adiantar?
Milton Aguiar: Um BSK, mais rápido, mais experiente, mais coletivo, mais melódico, mais enérgico, mais selvagem e em uma única frequência, direto em português. Assim que eu souber como será esse novo mundo, a intenção é voltar a organizar o FUBU FEST, incluir mais pessoas e bandas novas, diversidade e comer estrada.

 

INSIDE A5: Considerações finais:
Milton Aguiar: Muito obrigado pela oportunidade do espaço, é disto que precisamos e gostaria que cada pessoa que estiver lendo aqui, coloque uma coisa em mente, apoie seus amigos, apoie as pessoas que você tem admiração, consuma as coisas que te inspira e principalmente, crie, faça e compartilhe, você tem uma voz e ela precisa ser ouvida! Nos vemos nas ruas amigos e amigas.

_____________________________

Links importantes da banda:

Twitter: https://goo.gl/knY52T
Youtube: https://bit.ly/2MbZtYi
Spotify: https://goo.gl/XGNi3t
Instagram: http://www.instagram.com/baysidekings
Facebook: https://www.facebook.com/BAYSIDE-KINGS-192194534237490/
E-mail: baysidekings013@gmail.com
Lista quase secreta: https://mailchi.mp/997bf330f948/baysidekings

RESENHA: Be Well fala sobre saúde mental em The Weight And The Cost

Sem dúvida hoje os transtornos mentais são mais debatidos de forma aberta, mas ainda é um tabu. Revelar que você tem um psiquiatra ou sequer faz terapia pode ser um […]

Leia Mais
Foto: Mateus Mondini

Entrevista: Futuro – Os Segredos do Espaço e Tempo

O Futuro começou em 2010, primeiro como uma mudança de nome de outra banda que já existia, o B.U.S.H., mas com a entrada da Mila em 2011 se tornou uma […]

Leia Mais

RESENHA: Make It Stop: Sobrevivência 2020

Quando Nina Simone disse que refletir sobre os tempos é dever de quem se envolve de alguma forma com arte, ela também explica que não temos escolha, já que isso […]

Leia Mais

A volta dos Resíduos Tóxicos

A volta dos Resíduos Tóxico! WebZine criado em 2011 por Fábio e Keyla agora torna-se o mais novo colunista do Inside A5, conheça o trabalho deles agora:   Sobre o […]

Leia Mais

Entrevista: 20 anos de Questions!

A banda foi formada com a intenção de unir a energia e a intensidade do hardcore ao peso e à agressividade do metal. O nome representa um pensamento crítico em […]

Leia Mais

Inside A5 indica 5 vídeoclipes #2 (Sorocaba)

5 videoclipes lançando nos últimos tempos por artistas de Sorocaba que merecem seu view e principalmente seu like! Make It Stop – Transformando a Consciência em Força O clipe é […]

Leia Mais