5 bandas fodas que acabaram #2 (versão Ibiúna)

A cena punk/hardcore de Ibiúna teve muita banda boa, de qualidade e muita história pra se contar. Foi um cenário forte no interior paulista, com muitos eventos, publico ativo e muita amizade entre as bandas. Vamos citar/relembrar de 5 bandas que fizeram parte dessa fase de ouro de Ibiúna.

 

SUNTIMES

A primeira banda que eu gostaria de citar é o Suntimes, banda lendária da cena, que pouca gente da geração 2000 viu, mas quem estava mais tempo na cena sempre cita como referência e que talvez se não fossem eles Ibiúna nem cena teria. A banda surgiu no final dos anos 80, começo dos anos 90, fazendo um hardcore melódico. Em 1997 eles gravaram seu único registro de estúdio, porém nunca veio a ser lançado. A formação contava com Emerson Preto (baixo/vocal), Daniel Martines (guitarra/vocal) e Santiago Troyano (bateria).

A banda durou até o começo dos anos 2000. No final dos anos 90, o baterista Santiago foi convidado por Portoga para integrar a banda CPM22 e um tempo depois Santiago deixou banda pra integrar a lendária banda Street Bulldogs. Após um hiato de 3 anos, o Suntimes voltou para algumas apresentações em festivais, mas logo pararam de vez. Como eles dizem “quem viu, viu”, fez parte dos primórdios de uma cena que durou muitos anos.

(logo vai estar disponível as músicas do Suntimes nas plataformas digitais).

 

 

NINE SECONDS AGGRESSION

A segunda banda é o Nine Seconds Aggression, quando eu conheci ainda se chamava “Disgrace and Disorder”, e esse nome durou por apenas dois shows, um no Sexta hardcore e outro na escola Scalamandré. A formação na época contava com quatro integrantes, Bruno Machado (guitarra), Bruno Camargo (bateria) Felipão (baixo) e Vinicius (vocal). Com essa formação gravaram uma demo e mudaram o nome da banda pra Nine Seconds Aggression e a demo levou o antigo nome da banda.

Em 2006 saem Vinicius e Felipão da banda e entra Thiago Lira pro baixo e vocal e essa formação foi a que durou até fim. Os shows do Nine eram intensos, e verdadeiramente uma aula de hardcore. Com influencias de bandas como Hot Water Music e Ação Direta, a sonoridade da banda era melodiosa e brutal ao mesmo tempo. Em 2012 eles lançam o EP “2000 Days After” e consolidam o nome na cena do interior paulista. Além da qualidade da banda eles sempre contribuíram para que cena de Ibiúna continuasse sempre ativa, fazendo eventos, produzindo zines, etc. É uma banda que com toda certeza fez a diferença no cenário interiorano.

 

 


3 por 2

A banda 3 por 2 foi formada por Dimas Piu, Zé e Rafael Nanico, uma banda de punk rock com muita influência de Blink 182, Green Day e Strike Anywhere. Um som melódico e bem trabalhado, com riffs simples e letras que falavam da juventude do começo dos anos 2000. Até hoje, é uma das bandas mais influentes da cena de Ibiúna. Dimas antes de formar a banda teve outras bandas e uma delas era o “Homer Flamejante”, e Rafael tinha tocado na banda punk de Ibiúna “Marmitex 1 real”. No início tinham os membros da banda, mas ninguém sabia ao certo que instrumento tocar, e num ensaio Dimas pegou a guitarra e saiu os primeiros acordes, Zé até então na guitarra foi pra bateria e o Nanico ficou no baixo.

A banda fez muitos roles em Ibiúna e na região, e uma coisa que marcava muito nos shows deles é que todo mundo curtia demais as musicas da banda, todos cantando juntos as músicas, era sempre uma das bandas mais aguardadas do rolê. Rafael saiu da banda e no lugar dele entrou Luizinho, amigo dos membros da banda. Com ele, a banda gravou a Demo “Troco em Chicletes”, que tinha as músicas “Sunao”, “Do nada”, “O Mundinho”, musicas que todos que curtiam os roles em Ibiúna cantavam juntos e se divertiam.

 

 

VISCERAS

Visceras talvez tenha sido a banda mais agressiva tanto na sonoridade quanto na postura de seus integrantes. A forma como tocavam, todos com os rostos cobertos por bandanas, era uma mistura de Brujeria com Ratos de Porão. Era um puro Grindcore no melhor estilo Napalm Death, a banda contava com Fabinho (bateria), Takeo (guitarra), Hideki (baixo) e Toshi (vocal). Um detalhe curioso é que Fabio e Toshi são irmãos e primos de Takeo e Hideki (que também são irmãos), ou seja estava tudo em casa, o entrosamento deles no palco era incrível.

Os shows quando tocavam antes das bandas principais, intimidavam demais, tinha publico que colava nos roles só pra ver eles! Eles ficaram na ativa de 2003 a 2010. O fim da banda se deu mais pelo fato dos membros terem muitos projetos paralelos, como as bandas Sangue no Zóio (mais tarde viria a se chamar SanguexÓdioxHardcore), Rust, Emfrente, LadoxAxLado entre tantas outras. Um fato é certo: Essa banda causou um impacto gigante na cena da cidade, nunca se viu um visual e uma agressividade parecida com o Visceras.

 

 

EMFRENTE

Emfrente foi uma banda que causou um impacto muito grande na cena da cidade, pois fazia um hardcore rápido, agressivo, com melodias perfeitas. O vocalista Juninho Emfrente, sabia encaixar perfeitamente referências de rap nas harmonias das músicas. A banda no início contava com, Juninho (vocal), Luiz Fernando (guitarra), Hideki (baixo) e Dimas Piu (bateria).

Com essa formação eles lançaram uma demo que levava o nome da banda, e essa demo fez um barulho na cena, e pouco depois desse lançamento eles incorporaram mais uma guitarra com o Rick. A banda durou de 2008 até 2013. O Emfrente se desfez pelos membros estarem ocupados com faculdade, uns se mudaram de Ibiúna e a banda se dissolveu. Os shows do Emfrente eram uma loucura, galera colava em peso e sabiam cantar todas músicas. Foi uma banda importante demais para Ibiúna.

 

 

Hoje infelizmente, a cidade não está tão ativa como antes, mas ainda assim acontecem eventos esporadicamente.

Ibiúna teve muitas bandas, citamos apenas 5, mas poderiam ser 10 ou até mais. Algumas bandas de Ibiúna para quem quiser conhecer: Off Course, LadoxAxLado, Rust, CxOxD, Conflito Mental, Side ShowBob, H-Deia, Cereal Kids, Long Neck, Innoxx, Altroxx, Terrikulas, Corcel Luxo, Lovedone, My Self, Verm Kill,  Cursed, Drakmah, Mission Hill, My Sharona e bandas mais antigas como Industria Brasileira, Marmitex  1 Real, Reação Punk, Mr. Bozo, Homer Flamejante, etc.

Não podemos também deixar de citar alguns eventos de Hardcore importantes da cidade como: Sexta HC, Pé na Oreia, Setembro Choves e o Malacos HC. Hoje o que há na cidade são mais bandas covers e umas poucas autorais, infelizmente. Esperamos que Ibiúna volte algum dia a ter muitas bandas e eventos como nessa época de ouro, enquanto isso ficamos com essas memórias de momentos incríveis.

 

Texto por: Marquinho Fellipe de Oliveira

WRY lança novo trabalho: Noites Infinitas

Noites Infinitas é o nome do novo álbum do WRY que traz dez faixas, em português e inglês, e chega nas plataformas digitais do mundo todo em 30 de Outubro […]

Leia Mais

RESENHA: Be Well fala sobre saúde mental em The Weight And The Cost

Sem dúvida hoje os transtornos mentais são mais debatidos de forma aberta, mas ainda é um tabu. Revelar que você tem um psiquiatra ou sequer faz terapia pode ser um […]

Leia Mais
Foto: Mateus Mondini

Entrevista: Futuro – Os Segredos do Espaço e Tempo

O Futuro começou em 2010, primeiro como uma mudança de nome de outra banda que já existia, o B.U.S.H., mas com a entrada da Mila em 2011 se tornou uma […]

Leia Mais

RESENHA: Make It Stop: Sobrevivência 2020

Quando Nina Simone disse que refletir sobre os tempos é dever de quem se envolve de alguma forma com arte, ela também explica que não temos escolha, já que isso […]

Leia Mais

A volta dos Resíduos Tóxicos

A volta dos Resíduos Tóxico! WebZine criado em 2011 por Fábio e Keyla agora torna-se o mais novo colunista do Inside A5, conheça o trabalho deles agora:   Sobre o […]

Leia Mais

Entrevista: 20 anos de Questions!

A banda foi formada com a intenção de unir a energia e a intensidade do hardcore ao peso e à agressividade do metal. O nome representa um pensamento crítico em […]

Leia Mais